Publicidade

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Vídeo mostra helicóptero dos EUA matando crianças e jornalistas no Iraque


Por Humberto Carvalho Jr.

Um vídeo amplamente divulgado na internet pelo website WikiLeaks.Org, especializado na difusão de conteúdos sensíveis, põe em xeque a versão oficial do exército norte-americano sobre um ataque que matou 12 iraquianos, entre os quais, além de crianças, havia um fotógrafo e um motorista da agência de notícias Reuters.

Nas imagens, gravadas por um helicóptero de ataque Apache em 2007, a clareza do áudio evidencia a frieza do ataque aos civis, que caminhavam por uma rua de Nova Bagdá.

Em comunicação com o controle em terra, o piloto diz ter visto um grupo de supostos rebeldes armados e pede autorização para abrir fogo. Homens tentam socorrer os feridos, mas o veículo sofre um novo ataque, quando duas crianças são feridas.

Após a poeira baixar, os atiradores comemoram, comunicando pelo rádio que há "um monte de corpos" caídos no chão. "Olha todos estes bastardos mortos (...) Que lindo", dizem.


Na edição de segunda-feira (06), o Jornal Nacional divulgou as imagens com uma curta nota, alegando que as imagens indicam que o ataque foi por engano. A posição do telejornal mais assistido no país ignora as informações de seu próprio website, o G1, que noticiou a morte dos funcionários da Reuters, fotógrafo Namir Noor-Eldeen, 22 anos, e o motorista Saeed Chmagh, 40.

Na referida matéria, publicada pelo G1 em 13 de julho de 2007, um dia após o ataque, há indícios que contrariam a versão oficial, apoiada pelo JN.

1 – Antes de ser atingido, Noor-Eldeen havia ligado para um colega da Reuters dizendo que estava fotografando um edifício danificado nos combates.

2 - Testemunhas ouvidas pela agência no bairro de Al Amin Al Thaniyah disseram que Noor-Eldeen e Chmagh, que também trabalhava como cinegrafista-assistente, estavam perto do prédio mais ou menos no momento em que um helicóptero dos EUA disparava contra uma van.

3 - "A aviação começou a atacar aleatoriamente e as pessoas ficaram feridas. Uma (van) Kia chegou para levá-los embora. Eles atingiram a Kia e mataram os dois jornalistas", disse a testemunha Karim Shindakh.

4 - Ele (Shindakh) e três outras testemunhas afirmaram que soldados dos EUA vieram e levaram o equipamento de Noor-Eldeen.
São indícios muito importantes para revelar quais foram as reais intenções do ataque ao grupo, sobretudo a apreensão da máquina fotográfica de Noor-Eldeen pelos soldados americanos. Por que, então, o telejornal rejeitou tais informações? Certamente, não foi por incompetência ou por algum tipo de restrição à “liberdade de imprensa”.

Um comentário:

joaquim disse...

A cada dia os norte-americanos dão mostras da sua crueldade. Não sei onde vamos parar com essa onda de violência, mais dessa vez até crianças foram alvejadas.Isso é bárbaro!!! As autoridades deveriam se impor contra esses ataques, sendo que nesse caso não é possível contar nem com a ONU pois sabemos que ela foi criada nos EUA para que agisse em prol dos direitos humanos principalmente em tempos de guerra. Mais o que vemos hoje é uma organização cada vez mais desmoralizada, pois as pessoas começam a relacioná-la de fato com seus criadores. Só não poderia e nem vou critica-la em sua totalidade simplesmente por saber que existem pessoas dispostas dentro desta organização a ajudar aqueles que necessitam!!!